Câncer de Pele – Causas, Sintomas e Tratamentos

3
1110

Câncer de Pele – Causas, Sintomas e Tratamentos e muito mais é o que você vai aprender a partir de agora, então continue conosco e desvende tudo sobre o Câncer de Pele, doença essa que mata mais brasileiros a cada dia. Alias, ele é um tumor bem comum na população – aproximadamente 25% dos câncer, são o de pele. O Câncer de Pele é definido pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele. Qualquer célula da pele pode originar um câncer, e isso faz com que existam diversos tipos desse Câncer.

Câncer de Pele pode ser dividido em Câncer de Pele melanoma e Câncer de Pele não melanoma. Dentre os cânceres não melanoma, há o Câncer carcinoma basocelular (CBC) que é o mais frequente e menos agressivo, e o Câncer carcinoma espinocelular ou epidermoide (CEC), mais agressivo que cresce mais rápido que o carcinoma basocelular.

Cerca de 80% dos casos de Câncer de Pele não melanoma são CBC e 20% são CEC. Já o melanoma cutâneo, mais perigoso dos tumores de pele, possui a capacidade de invadir qualquer órgão e  de se espalhar pelo corpo. O melanoma cutâneo tem menor ocorrência em relação aos outros tipos de Câncer de Pele. Mas sua incidência está aumentando no mundo inteiro. Sendo assim, confira agora as Causas, Sintomas e Tratamentos dessa doença:

Causas do Câncer de Pele

Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, a doença não está relacionada apenas à radiação solar. Outros fatores, como úlceras, processos inflamatórios crônicos na pele, exposição no trabalho ao arsênico, radioterapia e cicatrizes ou queimaduras na pele também podem contribuir para o desenvolvimento do Câncer de Pele.

Patrocinado

Segundo a dermatologista, há ainda fatores genéticos. Ter um histórico familiar de melanoma aumenta o risco de ocorrência desse câncer. Há também as pintas espalhadas pelo corpo, pois algumas são mais propensas a desenvolver a doença. Pessoas que já tiveram algum melanoma também têm maior risco de ter outro.

Sintomas do Câncer de Pele

A dermatologista explica que a maioria deles não apresenta nenhum sintoma, não coçam, não doem e não incomodam. Por isso, é recomendável fazer um autoexame na pele uma vez por mês usando um espelho. Eles podem se apresentar como qualquer lesão, com aspecto de nódulo, tumor ou mancha. Podem ser pequenos, brilhantes, lisos, escamosos e ásperos, firmes, avermelhados, com crostas ou sangramentos.

Veja Também:  Os 5 Remédios Caseiros Para Tratar a Vaginite

Geralmente, as lesões do Câncer de Pele são assimétricas, têm bordas irregulares, cores diferentes e diâmetro maior que 6 mm (equivalente ao tamanho de uma borracha de lápis). Além disso, qualquer formação na pele com sangramento ou de difícil cicatrização requer uma atenção especial. Toda alteração da pele deve ser informada imediatamente ao seu dermatologista.

Fatores de Risco

Um fator de risco é algo que aumenta a chance de uma pessoa desenvolver uma doença. No caso de Câncer de Pele, qualquer coisa que faça com que a pele sofra danos irreversíveis a uma célula ou impeça que ela seja reparada, seria um fator de risco.

Entre os fatores de risco mais comum, está a exposição à radiação ultravioleta do sol, lâmpadas solares e câmaras de bronzeamento.

Tratamento do Câncer de Pele:

O tratamento mais indicado para essa doença é a cirurgia para retirada do tumor. Entretanto, algumas pessoas podem não ter indicação para cirurgia – no geral idosos com alguma comorbidade ou pessoas acamadas, que tem dificuldade de locomoção.

Há outras situações em que a cirurgia somente pode não ser suficiente para a retirada total do tumor. Ou que o comportamento deste possa pedir outras medidas. Nesses casos, o médico pode indicar outros tratamentos para erradicação do Câncer de Pele, que variam conforme o tipo.

Recomendados Para Você:

3 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta